A problemática do “denominacionalismo”

07/07/2016 13:32

 

Este termo não se encontra em nosso dicionário, mas é bem conhecido em nossa realidade de igreja local no meio evangélico. Infelizmente, este termo não tem um tom otimista ou amigável. Pelo contrário, é um termo muito pejorativo. É um fracasso da unidade da igreja de Jesus. Vou lhe explicar começando pela terminologia da palavra. Denominacionalismo tem o sufixo “ismo” que se associa a formação de doutrinas, teorias e sistemas filosóficos, religiosos, artísticos, científicos, econômicos e políticos ou de governo (1). O prefixo “denominacional” está como adjetivo, em que há denominação, designação; relacionamento com a ação de denominar, de dar nome (2). Trazendo o termo “denominacionalismo” para o contexto do cristianismo institucional, é a ênfase dos cognomes das instituições cristãs. É um forte apelo de marketing e apego ao nome, a marca de tal instituição cristã.

 

O que temos visto em nosso meio cristão é cada um querendo impor a sua nomenclatura como a melhor ou a maior ou até a única (no caso das seitas pseudo-cristãs) que representa a fé cristã. E este tipo de comportamento tem levado as pessoas a não reagirem como cristãos, mas como “clientes”. E as denominações cristãs têm entrado (não todas) no mundo da competitividade empresarial. Sendo que estas, quando registradas, não estão nesta categoria, por se tratar de entidades de característica religiosa, associação e não empresas. Do contrário pagariam impostos, no entanto são isentas. Portanto, não deveriam ter tal comportamento. Mas não é assim que temos visto na maioria. O que presenciamos senhoras e senhores é um verdadeiro show de propaganda, merchandising, onde o nome de Jesus e seu evangelho ficam em segundo plano. O evangelismo vem acompanhado de proselitismo denominacional (3), mais conhecida como “pescaria de aquário” (4). Não há mais um entendimento de que quando uma pessoa é evangelizada e esta diz já pertencer a uma denominação cristã de crença na sola fide, sola gratia, sola scriptura, solus christus e soli deo gloria (5) ela seja liberada com saudações em Cristo. Isso pouco importa agora, o que conta é que esta pessoa abordada visite a denominação do anunciante e venha a filiar-se. Não há mais qualquer consciência que limite isso.

 

O que houve com as antigas “cartas de mudança”? Até elas foram deixadas de lado. Pouco importa se uma pessoa vem de outra denominação com carta ou sem carta, se teve problemas na denominação anterior ou não, o denominacionalismo entorpeceu a consciência das lideranças.

 

Pra você ter uma idéia de como isso é problemático veja como as pessoas nos procuram quando querem ir para outra denominação (isso quando fazem). A abordagem é bem assim: “pastor, eu quero sair da igreja”. Você não imagina como o denominacionalismo cegou o entendimento das pessoas. Ora, sair da igreja de Jesus é morte espiritual, é apostasia. Mas as pessoas estão tão cegas com o denominacionalismo que não percebem o que estão dizendo. A frase correta deveria ser: “pastor, eu quero sair desta denominação”. Infelizmente, a palavra “igreja” ficou associada à nomenclatura de fachada dos prédios das instituições cristãs. Empobrecendo a riqueza da palavra. Dizem: “fulano está noutra igreja” e quantas igrejas Jesus têm? Meu Pai do céu tem misericórdia. Mas essa é a verdade, e tem que ser dita.

 

Vejo que a postura majoritária dos líderes eclesiásticos é de cumplicidade com o denominacionalismo. Eu falo disso porque eu sou líder, pastor evangélico há uma década e meia, me libertei do denominacionalismo há nove anos. Faço parte de outra denominação, e sinto-me entristecido com o denomincionalismo ainda persistir em muitas lideranças. E tenho me preocupado bastante em ver a igreja de Jesus Cristo dividida por falta de cosmovisão cristã de seus pastores. Que Jesus nosso Senhor mude este quadro, a começar pela liderança. Pois, a igreja de Jesus jamais poderá ser dividida. Ela é una – sua unidade transcende a uniformidade, a organização, a diversidade de igrejas locais que existem e ao pluralismo denominacional (Ef.4.4-6).

 

(1) http://www.aulete.com.br/ismo

(2) http://www.dicio.com.br/denominacional/

(3) O intento, zelo, diligência, empenho em trazer alguém de outra denominação à sua denominação.

(4) “pescaria de aquário” é uma metáfora que quer dizer: buscar vidas que já são convertidas a Cristo, e não as que estão no mundo ainda, “pescar no mar”.

(5) Cinco pilares da igreja reformada: somente a fé, somente a graça, somente a Escritura, somente Cristo e somente para Deus é a glória.

 

Fonte: Informativo de Julho e Agosto