A IMPORTÂNCIA DE SE VALORIZAR A INSTITUIÇÃO

22/05/2018 10:14

 

Por causa do Senhor, estejam sujeitos a toda instituição humana, quer seja rei, como soberano, quer seja às autoridades, como enviadas por ele, tanto para castigo dos malfeitores como para louvor dos que praticam o bem”. 1Pedro 2.13,14.

 

“... todo reino dividido contra si mesmo ficará deserto, e toda cidade ou casa dividida contra si mesma não subsistirá”. Mateus 12.25

 

Gostaria de começar essa dissertação fazendo perguntas: Você ama a sua pátria? Você é brasileiro porque mora no Brasil ou é brasileiro porque é patriota? Quanto tempo você acha que durará a sua instituição religiosa? Você já imaginou que ela pode se acabar? Dependendo da forma como tratamos as instituições, elas podem si acabar?

 

Nunca como hoje as instituições foram tão desvalorizadas. Isso vai desde a nossa pátria até escolas, igrejas, faculdades, hospitais, forças armadas, polícia, bombeiros, órgãos públicos, empresas e famílias. Você sabia que as instituições, se bem preservadas, duram séculos ou até milênios?

 

Veja bem, a Igreja Fulana de Tal, situada no bairro X, consideramos uma instituição importante para a sociedade, para o evangelho de Cristo e para a igreja de Cristo? Se você respondeu que sim, você não percebe que ela sendo depreciada, desprezada, mal cuidada, despersonalizada, ela poderá deixar de existir? Você tem netos, filhos, familiares, amigos? Você quer que essa instituição esteja lá no futuro recepcionando, doutrinando e evangelizando esse seu povo quando você não tiver mais vivo? Se você quer, você precisa ser mais institucional!

 

Olhem irmãos e irmãs, eu já fui muito de não querer saber de falar disso, sabe? Mas quando a gente vê o anarquismo tomando de conta desse país, os desigrejados crescendo, as famílias se acabando, os comunistas controlando nossas escolas e doutrinando nossos filhos, os propagadores da ideologia de gêneros querendo destruir a família, e tantas outras ameaças à fé cristã e a ordem e progresso desse país, eu passei a me preocupar em valoriza a instituição. Não digo que a igreja de Jesus é uma instituição, mas que a igreja constitui instituições para fim proveitoso de proclamar o Evangelho, prestar culto à Deus e promover o ensino cristão.

 

Gente, as pessoas morrem, mas as instituições ficam. O que quero dizer com isso? Que podemos deixar um legado para o futuro que possa firmar os valores da fé cristã, as verdades da Palavra de Deus. Gente, a instituição é que nem livro, filhos e árvore. Escreva um livro e você se eterniza, plante uma árvore e você fica na lembrança, gere filhos e você propaga a sua prole. Mas, tipo, eu vejo muitos irmãos aqui de nossa igreja pouco interessado sobre isso. Muitos não estão nem aí. Às vezes porque não sabem da importância do que é uma instituição para o futuro. Outras, porque são desigrejados e nem sabem que são. Vou colocar abaixo uma descrição do que é um desigrejado usando uma citação do meu livro que escrevi:

 

Para o bispo Walter McAlister, em seu vídeo no Youtube intitulado ‘O Fenômeno dos Desigrejados, Causa e Solução’ (2013). Ele explica em um trecho de suas palavras que os ‘desigrejados’ são em sua maioria os ‘frequentadores’ das congregações, das instituições evangélicas. Eles vêm para o culto quando querem, escolhem qual congregação que querem ir na semana, passam meses sem vir aos cultos de uma mesma congregação, depois reclamam que não foram lembrados. Não fazem parte do corpo, mas exigem ser tratados como corpo”. (Desigrejados. P.35. Editora Agbook).

 

Mais adiante eu escrevo:

 

... as características de um ‘desigrejado’: 1 – Em sua maioria são meros ‘frequentadores’ de denominações cristãs; 2 – Não reconhece uma autoridade delegada por Deus; só Jesus; 3 – Não se congrega fielmente em uma igreja local. Parte deles se reúne em grupos nos lares; 4 – Interpreta a igreja primitiva como o padrão final de modelo de igreja, isolando-a do seu contexto histórico/cultural; 5 – Não contribui financeiramente com uma igreja local. Nega-se a dar o dízimo ou contribuição financeira; 6 – Não tem compromisso afetivo, diaconal ou participativo com uma congregação específica; 7 – São, em sua maioria, adeptos da teologia neoliberal ou neo-ortodoxa”. (Idem. P.36).

 

Portanto, meu irmão e irmã, eu venho aqui dizer que se você não refletiu sobre isso, é hora de refletir e valorizar a igreja na qual você frequenta e diz que pertence a esta. Se é que você é mesmo pertencente! Porque muitos estão desigrejados, agem como desigrejados e nem percebem isso.

 

Reflita no que falei aqui: a instituição permanece você morre. E ela, se Jesus não voltar antes, poderá ser a sua voz, a sua representação daquilo que você queria dizer se ainda estivesse vivo. Mas porque somos finitos, somos impedidos de falar e preservar a fé cristã. E assim, se nós não batalharmos o presente da instituição, construindo valores, fundamentando as verdades da fé cristã, estabelecendo fronteiras espirituais, colocando isso na mentalidade de nossa juventude e crianças, e não permitirmos que pessoas estranhas a essa instituição ou até que já pertenceram a ela, venham depreciá-la; combatermos o proselitismo descarado de igrejas sem ética que fazem uma verdadeira pescaria de aquário, não teremos esse futuro tão sonhado! O futuro será o que fazemos no presente, pense nisso!